Autores Postado porLiberdade - O Jornal

Liberdade - O Jornal

1231 POST 0 COMENTÁRIOS

0 61

Teria, segundo eles e muitos, algo mais importante para um país que um professor (bem pago!) valorizado?    
Quem poderia nos dar esta resposta?
-Um mestre das ciências sociais?
-Um economista?
-Um político?
-Um psicólogo?
Ou… um mestre dos mestres, afinal, ele é o que ensina todas as outras profissões, os próprios professores? Resumindo, da própria classe, deveria sair a resposta que há tempos mais atormenta à classe do professorado em nosso país.
Mas se os mestres dos mestres não conseguem superar este dilema, da manifesta, declarada e vista falta de apoio por parte da sociedade, o que eles tem à dizer:

O Jornal Liberdade perguntou a alguns professores, “porque ele acha que a sociedade não toma atitude, não vai às ruas na defesa de tão nobre causa?” (Nos atemos tão somente à resposta, sem delongas ao entrevistado):
1-Porque não arde no bucho deles;
2-Porque o governador, Eduardo Leite vai acabar com o Rio Grande;
3-Porque no tempo do Tarso e do Olivio o professor foi valorizado;
4-Porque o Brito e depois o Sartori começaram a enterrar a educação e agora este vai terminar de matar…
5-Porque não cortam os salários deles, começando pelo governador, cobram das empresas o que devem,…
6-Porque para o governo ter um povo burro é melhor, porque burros não cobram nada dele!
7-Porque o Estado tá quebrado, mas tem gente ganhando muito e, o professor que deveria ser o mais valorizado, passa fome.
8-Porque estamos há mais de 6 anos sem aumento e, quem é que vive com um salário assim?
Paramos.

Aí, resposta dos mestres até de nossos mestres…
Disse-me certa feita um letrólogo, poliglota, escritor, enfim, um mar de especializações na língua portuguesa, cientista da UNISINOS, padre jesuíta, afirmou-me que sim, sem dúvidas, quem tivesse uma “pena”, se soubesse como explorar seu potencial, venceria qualquer Exército. Contou-me na oportunidade, também, de um causo bastante conhecido, que um rei, vendo-se em apuros diante da eminência de ver seu reino reduzido à cinzas por um grande exército inimigo e suas fronteiras mui fragilizadas, saiu do reino as pressas em seu cavalo sem dizer nada a ninguém. Foi-se para um reino distante, o que motivou um pânico na população pouco avisada das razões que teria feito tal loucura: deixa-los a todos ao léu diante de tão terrível ameaça e, assim o ‘atiraram na latrina’ como infame e covarde.
Alguns dias se passaram e, eis que volta o rei com outro companheiro cavalariano ao seu lado.
A turba queria trucida-lo, mas vendo que o estranho sugeria com o acenar da mão que ficassem calmo, resolveram arriscar. Afinal, naquelas alturas, até milagres eram esperados.
Alguém mais exaltado não se conteve e gritou: -Covarde, ao invés de ficar aqui dando forças e organizando tua gente, te manda e me aparece com este miserável aí e agora não temos tempo para nada.
Então o Rei, João a bem que se diga, disse: -Trouxe-vos à salvação, um sábio. Mandou que puxasse sua arma e mostrassem à multidão enfurecida.
O sábio, ao lado, sujeito magricela, pra não dizer raquítico, de tanto viver em uma montanha, arranca de uma pena, marca bic, que trazia presa à cintura por uma longa tira de couro e mostra ao povo, agora mais pasmo e pensando que o rei enlouquecera de vez.
Foi exatamente naquele momento que um sujeitinho também paupérrimo, frágil de tanto sofrer por meter o pau no lote de vadios que viviam sugando o feudo e o trabalho dos que trabalhavam e sustentavam o reino que desceu uma apazada, sua arma de guerra (apá) na cabeça do exaltado e repetiu o que dissera seu rei, Nabuco, digo, João:
-Calma, deixem o sábio trabalhar!
O resto da história a gente conta para nossos leitores outro dia. O final dela, teria resultado no enriquecimento do reino com a ajuda dos guerreiros antes invasores e que acabaram, os que não morreram carregando pedras para fazer cercados ao redor do reino, serviram ao povo fazendo e fornecendo massa para amassar à uva e fazer o vinho que os levara à ruína.

Moral da história:
Quando alguém disser: A educação é tudo; o professor é o mestre dos mestres; o policial é a salvação da sociedade; o jornalista é cão pra prefeitos medíocres; enfim, quando nos lançamos na defesa ou acusação de algo com extremismos e, utilizando o cérebro localizado em nosso aparelho digestivo, NÃO CONSTRUÍMOS NADA.
Já dizia o sábio Lavoisier: “Na natureza nada se cria, nada se perde, mas tudo se transforma!”, isso também é válido para as coisas físicas, mas nas relações outras como da mente e as que ainda não conhecemos.
Como vivemos em um mundo extremamente de egoísmo e que o Pai é o centro (de nossa hipocrisia) e, sequer conseguimos enxergar nosso irmão, ao nosso lado, É NATURAL QUE TENHAMOS UMA SOCIEDADE DOENTE, também carente de bons professores.

0 65

Você já ouviu falar  em …..
“A LUTA DOS PREFEITOS EM DEFESA DO MUNICIPALISMO”, ouviu?

Pra quê mesmo??

A LUTA é por mais dinheiro. O que tem, bem menos dos 10% do que gastam – para espanto da população – agora, após 2018 anos, no nosso caso, informada por eles. Melhor, por traíras deles, o Guedes.
O resto vem do que nós, o povo, mandamos para os outros governos – Estado e União.
Os prefeitos alegam, e tem razão, em dizer que o dinheiro que tem, o somatório total do que passa por suas mãos, é cada vez menos  que o suficiente para fazerem o que gostariam “PARA O BEM DE SUAS COMUNIDADES” e, até investimentos necessários e que precisariam realizar.

                 Diante disso, é mister lembrar da relação:
“O aumento dos gastos com o setor público praticado pela classe política, é praticamente superior ao aumento dos recursos extraídos da população para enfrentamento da equação, o que os governos – no caso municipal – necessita em volume de dinheiro está se expandindo em relação inversa ao que a sociedade tem sido capaz de dar, para equacionar os interesses. Ou seja, as prefeituras gastam mais do que podem. Incham, se avolumam…. acabam sucateando, manipulando, explorando, aniquilando à própria sociedade em que estão inserida.
Este desenho-inverso, no qual a prefeitura deveria prestigiar, capitalizar à comunidade, faz invertido e capitaliza-se a si própria. E, os arroubos chegou à tal ponto no país por não temos tão somente prefeituras que enfrentem esta grave situação, mas que criam e alimentam ela e de ter se transformado em um verdadeiro cancro que acaba se instalando dentro das comunidades, principalmente as pequenas e, aí, subjugando sua população após dividi-la em apoiadores ou não a seus interesses.

 

Virou uma farra
Como se não bastasse, a miséria de muitos permite alguns fenômenos muito facilmente visualizado na América Latina:
Como por exemplo, na formação, nestes ambientes, de o chamado Cordão de Sustentação dos Crimes Políticos Não Tipificados (CSCPNT).
No CSCPNT, aí que forma-se, meio que naturalmente, os nichos de bactérias de âmbito público e de âmbito privado e que ajudarão na sustentação do agora “cancro”, diante de um parlamento pobre e de uma Justiça para pobres e que ajudará a perpetuar os arroubos destes loucos. Digo, daqueles loucos. Sim, porque passam a tratar o povo como objeto, mercadoria, alocado de lado a outro conforme seus interesses – econômico-financeiros e, político-partidário tão somente.
*Sobre as bactérias citadas, acompanhe na edição escrita do LOJ.
*Sobre os efeitos da possibilidade de extinção de nome de municípios e seu poderio burocrático, acompanhe no LOJ
*Sobre para onde caminha as atuais prefeituras do Brasil e muitos dos pequenos municípios, leia no LOJ, ed escrita, assine..!
*Sobre escravos e subjugados pelos governos municipais, também, saiba onde estão lendo o Liberdade – O Jornal…

0 64

Neste domingo (24/11), a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes da Unimed Missões/RS, em parceria com a CIPA do Hospital Santo Ângelo, promove o Domingo na Praça. O evento terá início às 13h30min, na Praça da Catedral, e será aberto à comunidade. Na programação estão mateada com distribuição de erva, palco alternativo com cantores e bandas locais, brinquedos para as crianças e praça de alimentação.

Durante o Domingo na Praça será feita a arrecadação de alimentos não perecíveis, brinquedos e roupas, que serão doados para instituição do município.

“Esse evento tem o objetivo de aproximar a comunidade das instituições de saúde do município, com um momento descontraído e agradável às famílias. A parceria entre as CIPAS iniciou em 2018, e deve estender-se ao longo de diferentes gestões, já que possibilita a troca de experiências, a melhoria nos processos de ambas as instituições e a promoção de ações unificadas entre a Unimed Missões/RS e o Hospital Santo Ângelo”, salienta a presidente da CIPA cooperativa, Eduarda Saragozo.

0 73

Visitou o Liberdade, o Delegado da Estância da Poesia Crioula da Academia Xucra do Rio Grande, poeta, estancieiro a agricultor, José Dirceu Dutra:

 

Homem de inspiração fácil, de criatividade larga, anda na luz, leva a luz e a distribui por este emaranhado de bretes e de alambrados de todo tipo e que só ele como poeta que é, atrai a si a tarefa de fazer o povo visualizá-los cada vez mais com opacidade e alargar seus horizontes.

“ O mundo é dos livres e a liberdade, embora utopia é algo que nos faz felizes por vivermos à persegui-la”, nos ensina o poeta, José Dirceu Dutra.

Dirceu se ‘levanta’ ao questionarmos o nome dos pais:

-Filho de Porfírio Vasconcelos Braga Dutra e de Eva Boys Dutra, confessa. Dirceu tem uma única irmã: Paula do Carmo Dutra.

Premiado em inúmeros lugares no Estado, por seu trabalho reconhecido como poeta que é, José Dirceu foi laureado por várias vezes na cidade universitária de Santa Maria, como da Estância do Minuano, na 1ª e 7ª Tertúlia, em vários municípios missioneiros e tantas outras regiões do Estado sulriograndense.

Dirceu também é escritor de dois livros:

-Versejar é Uma Crença e Eterno Retorno.

Com a sensibilidade à flor, característica inseparável dos predestinados à arte da poesia, do repentismo, José Dirceu sente como poucos as coisas que tangenciam o povo ou, que perambulam aí perto, formatando e decifrando a espiritualidade tão plural da sua gente.

Assim que, entre as dores e picos de sensitividade, tantas, nos relata ter visualizado e traduzido em versos sua homenagem ao santuário localizado em São Miguel das Missões e chamado de “Fonte Missioneira”, situação vivida quando um infeliz resolveu quebrar e surrupiar um anjo do mosaico ali exposto ao céu aberto.

Local inseguro em algumas horas, quase atirado à própria sorte por vezes, ainda por cima, como corretivo, teve a correção feita por um simples banho de cimento como que a compensar desinteressadamente o que é praticamente insubstituível, mas que poderia merecer um respeito maior, se uma vez fosse destinado algo mais adequado no espaço rico onde fora furtado.

0 117

    Tenho visto muitos candidatos a candidatos naquela fase do “tô vendo aí…”, “tô pensando ainda…”, “tô esperando umas definições…”
    E nós sabemos que não é nada disso que está impedindo essas pessoas de arregaçar as mangas, meter a cara, se comprometer e iniciar na prática seus projetos para o ano que vem.
   Você tá nesse barco? E o que está te impedindo de dar a largada para alcançar o que você espera das Eleições 2020?

          a)Medo do Fracasso?
          b)Falta de Disciplina?
          c)Preocupação com o que pensam sobre Você?
          d)Falta de Fé na sua Capacidade?
          e)Preguiça?

    Sabia que só uma pessoa está envolvida em todas essas possibilidades? Você.
 E é você que está impedindo a realização do seu projeto, enquanto ficar nesse “chove mas não molha”! Tá na hora de Mudar de atitude. Tá na hora de realizar!

    Há várias fórmulas infalíveis para perder uma eleição:
-A mais utilizada é não se preparar e não se comprometer com o principal objetivo de qualquer projeto político-eleitoral, que é conquistar os votos suficientes para se eleger.
   Essa “não-preparação” envolve não entender nada sobre a legislação que vai nortear a eleição, não saber se posicionar e construir uma boa imagem pública, não se comunicar bem com as pessoas, não criar um relacionamento com seus eleitores potenciais, não desenvolver uma estratégia competitiva, não formar uma equipe competente, não montar uma estrutura eficiente.
   -Outra boa fórmula para perder uma eleição é justamente tentar usar uma “fórmula, daquelas milagrosas”, que prometem fazer a eleição ser muito fácil de ganhar.
    Eu sempre acreditei observando as varias campanhas eleitorais que eleição não se ganha. Eleição a gente vence!
   E tem mais uma maneira infalível de sofrer uma bela derrota: fazer o que sempre fez em eleições passadas e achar que o que funcionava antes ainda funciona nesses tempos de constante mudança.
   Essas são apenas algumas maneiras,de perder. Existem muitas outras. Assim como existem várias estratégias pra vencer.
    E todas, sem exceção, todas envolvem se preparar para a jornada e aprender como construir e trilhar o caminho para a Vitória.

                                  Dois fatos novos para próxima eleição:
A saída de Lula na semana passada e o lançamento do novo partido de Bolsonaro prometem acelerar o processo eleitoral de 2020 e o grande desafio de futuros candidatos e estrategistas de campanha é tentar entender como isso vai impactar no curtíssimo prazo as eleições municipais do ano que vem e, principalmente, as pré-campanhas de quem pretende disputar vagas de Prefeito e Vereador.

0 102

Quem é Jesus?

“Sim, Senhor, respondeu ela, eu tenho crido que tu és o Cristo, o Filho de Deus que devia vir ao mundo” (João 11.27).
“Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo , o Filho do Deus vivo” (Mateus 16.16).

Você pode falar de Jesus Cristo como profeta, mestre ou líder espiritual, e poucos contestarão. Mas se falar dele como Filho de Deus, divino, da mesma natureza que o Pai, haverá filas de pessoas mostrando desaprovação. Um bilhão de muçulmanos dirão: “Profeta, sim, Deus, não!” Judeus espalhados pelo mundo dirão: “Mestre, sim. Messias, não!” Protestantes liberais e religiosos de vários segmentos dirão: “Homem exemplar, sim. Divino, não!” E nós, o que dizemos de Jesus? (Richard Dresselhaus)
Eu concordo com as afirmações constantes das duas passagens bíblicas acima. Uma foi proferida por Marta, seguidora e amiga de Jesus; a outra por Pedro, seu discípulo.
Agora chegou sua vez de responder. O que você diria? Seja sincero! Muitos de nós ainda não o conhecemos. Temos apenas uma experiência religiosa. Nós o conhecemos só de ouvir falar! E isso não nos dá segurança nem convicção de afirmar que Ele é o filho de Deus.
Há poucos dias eu falava com um amigo indiano. Ele é muçulmano. Ele reconhece Jesus como um profeta. Porém, não o aceita como Filho de Deus. E ele está certo! Até hoje não teve nenhum contato com Jesus. Seu conhecimento baseia-se naquilo que tem lido à respeito dele. E isso não é suficiente!
Temos que ir além da experiência religiosa. É preciso um contato mais profundo. A religião não nos torna seguidores de Jesus. Apenas um relacionamento íntimo com ele tem o poder de nos tornar seguidores seus.
Peça a Jesus, hoje, que lhe proporcione uma experiência real com Ele. Diga-lhe que deseja conhecê-lo e segui-lo. Você verá que sua vida nunca mais será a mesma.
Tenha uma semana abençoada.

Francisco Schmitt Schappo
Capítulo 1343 São Miguel das Missões

0 76
 

11h52, 14/11/2019

Unimed Missões/RS promoveu II Café da Manhã com a Imprensa
O ano de 2019 foi de muito trabalho, reconhecimento e novos projetos para a Unimed Missões/RS. Para agradecer à imprensa local e regional pela parceria durante o ano que se finda e fortalecer laços para o novo ano que se aproxima, a cooperativa realizou hoje (14/11), a II edição do Café da Manhã com a Imprensa, realizado no Hospital Regional Unimed Missões.
 
Referência em saúde
Com a missão de oferecer soluções em saúde com qualidade ao cliente, a instituição de saúde completou em 2019 seus 47 anos de história, se consolidando como referência em saúde. A cooperativa, que conta com três negócios: Saúde Ocupacional, Soluções em Saúde e Hospital, abrange 27 municípios a região das Missões, com 120 serviços credenciados e mais de 540 colaboradores. Em seu quadro, tem 270 médicos cooperados, disponibilizando das mais diversas especialidades e serviços de alta complexidade, antes encontrados apenas em grandes centros. Ainda emprega um expressivo número de colaboradores em postos de trabalhos indiretos, como é o caso de clínicas médicas.
 
Design do Futuro
Além de investir na capacitação de cooperados e colaboradores, na aquisição de equipamentos que melhoram os processos, a Unimed Missões/RS apresentou este ano a proposta de ampliação e modernização de seu Hospital e Sede da Cooperativa, visando dar suporte aos profissionais para a disponibilização de um atendimento humanizado e de qualidade ao cliente.
 
Nos próximos três anos, os médicos cooperados irão investir aproximadamente R$20 milhões no projeto Design do Futuro. A nova estrutura do Hospital terá entrada pela Rua Marechal Floriano e ampliação em mais de 3.480m², centralizando o atendimento ao cliente, melhorando a mobilidade interna e possibilitando a oferta de novos serviços. O investimento contemplará uma sala exclusiva para os pacientes em pré-operatório, hoje acolhidos no Pronto Atendimento. Dessa forma, os pacientes terão maior privacidade, segurança e agilidade, além de aliviar o fluxo do Pronto Atendimento de Urgência e Emergência. O projeto ainda visa a criação de uma Central para Esterilização de Materiais (CME) mais ampla, responsável por garantir uma maior segurança ao paciente. O projeto, que já está em fase de execução, também visualiza a construção de uma usina fotovoltaica, que possibilitará que a cooperativa seja autossuficiente em energia limpa.
 
Reconhecimento
Durante o ano de 2019, a cooperativa foi certificada como uma das oito melhores empresas de planos de saúde para trabalhar no Brasil, conforme pesquisa do instituto Great Place to Work (GPTW). Já no Ranking das Melhores Empresas para Trabalhar no Rio Grande do Sul, também realizada pela GPTW, a cooperativa ficou com a 22ª colocação na categoria “médias empresas”, que têm entre 100 e 900 colaboradores.
 
Objetivos para o futuro
Em 2020, a Unimed Missões/RS pretende dar continuidade aos programas de melhorias em gestão, inovação em produtos/serviços e processos; ações de humanização; investimentos na qualidade, excelência e satisfação dos clientes; e na sequência do projeto Design do Futuro.
 

“O ano foi de muitas mudanças na cooperativa, ficando evidente a necessidade de investir em novas ideias e em uma equipe comprometida com a nossa missão. Agradecemos a todos que, direta ou indiretamente, fazem parte dessa trajetória e que estará conosco no próximo ano”, salienta o presidente da Unimed Missões/RS, Dr. Roberto Valandro Bellinaso. 

Fonte: UNIMED

0 105

Notícias do governo municipal do município de Entre Ijuís/ RS
A Secretaria Municipal da Agricultura definiu cronograma em relação à encomenda de alevinos. Os pedidos, devem ser feitos até 15 de Dezembro. As solicitações devem ser feitas, na secretaria,.
  A lista de opções também está disponível na secretaria. Segundo o secretário Lawrence, a meta é estimular a expansão da piscicultura, como mais uma alternativa de renda, especialmente nas propriedades de agricultura familiar

          Educação Infantil da E.M.E.F. Zeferino Antunes de Almeida realiza projeto sobre Educação Fiscal:
     A Professora Nair Nair Lúcia Graff, com os alunos do Pré II, realiza um projeto de Educação Fiscal, com o objetivo de proporcionar vivências com situações de aprendizagem que despertem o senso crítico e a reflexão sobre a necessidade de uma sociedade justa, conscientizando assim sobre a importância dos tributos para manutenção do Estado e Município. Foram ao supermercado comprar itens diversos, onde cada criança teve a oportunidade de escolher e pagar suas compras, após, compararam o valor do imposto cobrado sobre cada item.
Parabéns à professora pela iniciativa em incentivar aos pequenos a importância dessas vivências significativas de aprendizagem.

         TRANSFERÊNCIA DA TARDE DE CAMPO
    A Emater juntamente com a Prefeitura Municipal de Entre-Ijuis vem comunicar que a tarde de campo que era para ser realizada na ultima quinta-feira e que foi cancelada devido a instabilidade do tempo está com nova data para ser realizada. O local é mesmo já definido na propriedade do Sr.. Junior Rafael Schreiber Heldt, localizada na Serra de Baixo na São José DIA 05 DE DEZEMBRO DE 2019.

         Projeto Missões pela Vida
   Na tarde desta terça-feira dia 12 de novembro o município de Santo Antônio das Missões sediou a Culminância Regional do Projeto Missões pela vida, evento organizado pela Associação das Primeiras Damas das Missões. O município de Entre Ijuis esteve representado pelo alunos Gabriel, Maria Izabel e Ana Laura da Escola São Paulo. Estiveram presentes no evento o Prefeito Brasil Sartori, Primeira Dama Iara Sartori, Secretária de Educação Tânia Maria Scola, Secretário de Assistência Social Rafael Rotilli, Diretora da Escola São Paulo Tânia Machado e Assistente Social Camila Trombeta

            Concluído mais uma capacitação na Assistência Social
    Iniciou na segunda-feira e culminou na terça-feira mais um evento promovido pela Secretaria Municipal de Assistência Social, chefiada pelo secretário Rafael Rotilli onde foi realizado capacitação junto às participantes dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, acompanhado junto a equipe do Centro de Referência da Assistência Social – CRAS.

O curso de geração de renda através da produção de doces obteve das participantes a nota 10, considerando o momento de extremo proveito
O secretário de Assistência Social, Rafael Rotilli relatou que a gestão tem trabalhado muito na organização dos grupos dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, bem como enfatizou que o objetivo da administração do prefeito Brasil é de fato promover uma melhora nas relações sociais dos entreijuienses oportunizando o crescimento profissional, pessoal, familiar e financeiro, para que realmente a qualidade de vida de todos seja elevada.

                                CAMPANHA NOTA FISCAL PREMIADA   
    Caro Entreijuiense!  Ao realizar suas compras no município exija a Nota Fiscal, pois além de exercer sua cidadania, prestigiar o comércio de sua cidade você estará concorrendo a prêmios.

A cada R$ 50,00 em compras ou aquisição de serviços no comercio local você tem direito a cupons para concorrer a prêmios.
A cada R$ 100,00 em combustíveis
A cada R$ 500 de serviço de construção
Cada nota do bloco de produtor rural
O IPTU 2019 quitado vale 5 cupons para o sorteio.

CONHEÇA ALGUNS DOS SERVIÇOS PRESTADOS QUE PODEM VALER PRÊMIOS.
Oficinas mecânicas e borracharia
Academias e ginástica
Clinicas veterinária (serviços de banho e tosa)
Construção e reparos
Lavagens de automóveis
Serviços imobiliários
Serviços de despachante
Clinicas e laboratórios
Compras em lojas, supermercados, farmácias, bares e restaurantes.
Peça sua nota e compareça junto à prefeitura para trocar por cautela.
As notas poderão ser trocadas até o dia 13 de dezembro.

 O segundo sorteio será realizado no dia 20 de dezembro de 2019, quando serão sorteados os seguintes prêmios:

1° prêmio 1 TV Philips 43” LED Smart FHD, uma camisa Marca Dudalina, um perfume Silver Scent

 

2° prêmio Uma caixa de som JBL Charge 3 com Bluetooth Speaker, 1 camisa, 1 manta, 1 perfume Silver Scient,
3° prêmio

 

Uma manta, uma caixa de Som JBL GO, 1 Camisa Marca Dudalina, 2 camisetas e 1 brinquedo
4° prêmio

 

Uma manta, Uma camisa Marca Dudalina, 2 camisetas e 1 perfume Silver Scient
5° prêmio 2 Camisas Marca Dudalina e uma manta

 

Além destes, serão sorteados mais 10 prêmios surpresa.

 

Compre no comercio local e EXIJA a Nota Fiscal, é um direito do cidadão e um dever do comerciante.
Além disso, o município de Entre-Ijuís participa dos sorteios do Programa Nota fiscal Gaúcha através da Plataforma do Governo do Estado, com objetivo de incentivar a população a exigir documentos fiscais no ato da compra. Os prêmios são de R$ 300,00 e R$ 200,00 mensalmente.
O contribuinte deverá realizar seu cadastro via sistema no site da Nota Fiscal Gaúcha e em todas as compras pedir junto ao caixa na hora do pagamento a inclusão do CPF da nota fiscal de compra. Assim automaticamente estará concorrendo a esta premiação através do programa estadual da NFG.
Salientamos que a escola Estadual Carlos Kruel está cadastrada como entidade na área da educação e pode ser indicada por todos os contribuintes cadastrados no programa.
O grupo de Educação Fiscal do Município GEFEI está à disposição para auxiliar no cadastramento dos interessados e para demais esclarecimentos.

 “Cidadania não é atitude passiva, mas ação permanente, em favor da comunidade.”

0 55

A Receita Federal e as entidades de classe têm alertado sobre a importância de buscar o auxílio de um profissional capacitado para garantir a segurança nos envios de informações e entrar em conformidade com as novas exigências do eSocial, independente de terem ou não empregados.
A primeira fase do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (Cadastro do Empregador e Tabelas) é voltada, além dos produtores rurais, a empregadores optantes pelo Simples Nacional e pessoas físicas e a entidades sem fins lucrativos. O prazo começou a valer em 10 de janeiro deste ano e se estende até abril.
Porém a dificuldade no acesso às novas tecnologias ainda é uma realidade no País como um todo e, principalmente, no campo.

Cada grupo do eSocial tem quatro fases para a transmissão eletrônica de dados.
-Na primeira, devem ser comunicados os eventos de tabela, que são os cadastros do empregador mais o envio de tabelas.
-A segunda etapa abrange os eventos não periódicos – dados dos trabalhadores e seus vínculos com a empresa ou pessoa física.
A terceira fase compreende os eventos periódicos, que são as informações sobre a folha de pagamento.
-E, por fim, na última fase, são exigidas informações relativas à segurança e à saúde.

O eSocial é o instrumento criado pelo governo para unificar as informações referentes à escrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas, com o objetivo de padronizar o sistema, evitar fraudes e extravio de informações. Por meio do eSocial, os empregadores comunicam ao governo federal, de forma unificada, as informações relativas aos trabalhadores.
Segundo a Receita, o objetivo é simplificar a prestação das informações referentes às obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas, de forma a reduzir a burocracia para as empresas.
O envio de dados ao eSocial substitui o preenchimento e a entrega de formulários e declarações separados a cada ente. A obrigatoriedade de utilização desse sistema para os empregadores é regulamentada por Resoluções do Comitê Diretivo do eSocial, conforme o Decreto nº 8.373/2014. Pequenos produtores têm mais dificuldades
O contador Getson Dhein, diretor e sócio do escritório de contabilidade Líder, de Panambi, no interior do Estado concorda que o cumprimento das obrigações se torna muito mais difícil quando se trata de trabalhadores rurais, mas acredita no potencial das assessorias contábeis locais para impulsionar o acesso ao sistema. Dhein lembra que, dentro do grupo formado por produtores rurais, há os médios e grandes, que, normalmente, já contam com assessoria contábil, e os pequenos, que, provavelmente, a partir de agora, terão de buscar um auxílio profissional. “Talvez o serviço prestado por um profissional contábil não seja indispensável nas duas primeiras fases do eSocial. Porém, em outubro, começa o momento mais preocupante, em que deve ser enviada a DCTFWeb (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) a partir do eSocial”, salienta o contador.

O chefe da Seção de Fiscalização da delegacia da Receita Federal em Santo Ângelo, Ely Eduardo Lemos de Azevedo, concorda que é a partir da terceira fase que todos precisam ter mais cuidado. “Nessa etapa, começam a ser transmitidos os eventos periódicos, que, como o próprio nome já diz, é uma transmissão mensal por competência na qual ele vai informar os fatos geradores da contribuição previdenciária”, reforça Azevedo. É a partir daí que os empresários do Simples Nacional terão de entregar a folha de salários de seus empregados e que os produtores rurais terão de informar o recolhimento com base em um dos dois fatos geradores diferentes pelo qual ele optou até o fim de janeiro.
A primeira opção já é uma velha conhecida dos produtores rurais e compreende a contribuição sobre a comercialização da produção rural. “Esse modelo é o mais comum de todos.” Já a segunda opção é uma novidade deste ano e prevê o cálculo sobre a folha de salários dos empregados.
Os produtores que optaram por essa modalidade podem recolher a contribuição previdenciária patronal sobre a folha. “Esse pode ser o modelo mais vantajoso. Existe, inclusive, uma fórmula que nós estabelecemos para que o produtor faça esse cálculo junto com a sua assessoria contábil”, instrui Azevedo.
Em suma, é preciso comparar as alíquotas incidentes sobre a folha de salários com as alíquotas incidentes sobre a comercialização da produção rural.

O produtor teve de fazer a opção até 31 de janeiro, de acordo com a Lei nº 8.212/1991, e, ao longo deste ano, não poderá mais mudar
Todas essas mudanças podem gerar preocupações em um primeiro momento, diz Dhein.
Porém “todo avanço tecnológico que envolve as qualidades das informações é importante tanto para os contribuintes quanto para o governo. No caso do eSocial, os benefícios serão muitos, desde a inibição das fraudes até a unificação no envio das informações”, pontua o empresário contábil.
O auditor-fiscal da Receita Federal em Santo Ângelo, Ely Eduardo Lemos de Azevedo, lembra que, para aqueles produtores rurais que continuaram recolhendo a contribuição com base na sua produção, não há mudanças radicais. “Eles também têm de transmitir o eSocial, mas não há muitos cuidados a tomar”, diz Azevedo. J
Já para aqueles que optaram, no início do ano, por tributar a folha de salários, Azevedo destaca que é preciso entregar a Guia de Recolhimento do FGTS (GFIP) e recolher a Guia da Previdência Social (GPS) sobre a sua folha de salários para que seja validada a sua escolha.
Isso deverá ocorrer em caráter temporário, apenas até que o grupo dos produtores rurais entre na terceira fase do eSocial – a partir de julho.
A decisão por exigir a emissão da GPS está no Ato Declaratório Executivo da Receita Federal nº 1/2019. “Por ser uma questão transitória, isso vem gerando um pouco de confusão entre quem trabalha na parte de produção rural. Se ele tem de fazer todos os procedimentos em GFIP e, ao mesmo tempo, está obrigado a entregar o eSocial, isso significa que ele vai ter que fazer duas declarações?…
Em um primeiro momento, sim. A partir de julho, ele vai fazer tudo no eSocial, e, aí, a GFIP cai fora”, explica Azevedo.
Maior dúvida dos agricultores é em relação à parceria rural Antes mesmo de iniciar a transmissão de dados no eSocial, os produtores rurais devem fazer a migração do Cadastro Específico do INSS (CEI) para o Cadastro de Atividade Econômica Pessoa Física (CAEPF) ou a criação desse último (no caso daqueles que ainda não tiverem o CEI) através do portal eCAC da Receita Federal.
“Já na primeira fase do eSocial, será exigido o cadastro das propriedades, que são as lotações tributárias, e cuja informação depende da realização prévia do CAEPF”, salienta o auditor da RFB e também integrante do GT do eSocial no Estado, Ely Eduardo Lemos de Azevedo. Ele aponta que uma das maiores dúvidas, atualmente, reside na forma de recolhimento da contribuição previdenciária nos casos de parceria rural. Na parceria rural, os trabalhadores estão ligados ao cadastro de apenas uma das partes. Por isso, o outro parceiro, teoricamente, ficaria impossibilitado de recolher a contribuição previdenciária com base na folha de salários.
Isso gera um problema no modelo novo de CAEPF.
“Quando era feita a matrícula CEI, a parceria rural não era um problema, porque era possível vincular o CPF do titular com os parceiros rurais. No sistema novo, esse vínculo foi extinto, e tanto o proprietário quanto o parceiro da atividade rural naquela propriedade devem ter um CAEPF”, explica.

0 78

Aonde está este líder?

      Texto abril de 2019, mas atual como só!

São Miguel das Missões precisa de um líder.
Um líder que seja determinado, tenha visão, discernimento, capacidade de leitura e análise de contexto, que seja inovador, criativo, pulso firme, entre outros e que possa trazer para sua comunidade, para os serviços da política, do setor público, uma similaridade em direitos, por exemplo, à iniciativa privada.
São Miguel precisa de um líder não comprometido com as ‘panelas’; com acompanheirada de seus partidos; com o parentesco dos parentes puxa-sacos; com as manhas e imposições dos safados doutos ou nem tanto mas que aí banham-se a explorar nossa própria gente.
Mas para tal terá que vir municiado de bastante conhecimento e de muita, mas muita determinação. O suficiente para que não incorra em ilegalidades e, não se torne refém dos conchavos, dos mandantes e exploradores da comunidade. (aquelas panelas, exo-esqueleto que aí se beneficiam da proximidade ao poder, mas que passam ao largo da lei e da Justiça);
São Miguel das Missões precisa de um plano, um conjunto de diretrizes, novas, inovadoras, ousadas e que definam um projeto de governança em compartilhamento com à comunidade local e as comunidades circunvizinhas a sua. Não há nada se não é compartilhado e com a participação da comunidade. Sem isso, nada resulta em satisfatório.
Basta da libertinagem de – a mode da fragilidade dos ditos -, ter que ceder por tudo quanto é ponta, recursos públicos escassos e necessários para a população em troco de sua tranquilidade ou, para que se oculte ou se mantenha inerte as vistas de suas próprias fraquezas.
São Miguel das Missões precisa ser resgatado, urgente pois, o dano já está posto e é largo, muito largo, vai longe. A visão de apoderados, mostra sim um corpo carcomido por dentro e que pode desabar em cima de si próprio a qualquer dia desses.
Se formos otimistas, poderemos sim retardar um tanto nossa derrocada de gestão por um período ainda considerado largo. Dificilmente reverteremos o que viemos perdendo nos últimos anos, considerado nossas reais potencialidades.
É triste ver não só este município, mas o que está acontecendo com outros. Pode-se dizer que são centenas, milhares país a fora onde a sociedade começa a se dar por conta que a sua passividade em não questionar, só aceitar e não elogiar, lhe rendeu atrasos, imensos..
Diante da demanda de inovação, reveladas graças a necessária capacitação, a nação pasma passa a cultuar a própria miséria – por falta de outra e de norte -, em busca do necessário pão.
Não será com afagos, nem com diálogo tão somente que um necessário líder irá fazer prevalecer alguma Justiça neste ambiente em que crassa sim, a injustiça para muitos acobertado com um IDH falso e mal fadado. Este deve ser o resultado de um trabalho, da conquista de uma grande luta que hoje se faz necessário, sem demagogias, sem hipocrisias.
O caminho para esta mudança passará no corte de regalias, muitas, do setor público e político local. Mais a quem mereça e, menos sim, a quem não respeita o seu próprio povo.
Foco: O novo líder deverá demonstrar capacidade de focar naquilo que realmente interessa, a nossa própria gente. Capaz disso, poderá se fazer respeitado e contar com o apoio popular para as tão necessárias mudanças que se fazem necessárias e se acumulam mais e mais.
São Miguel já não pode mais se dar ao direito de se contentar com tamanha mediocridade, com o risco de se atolar mesmo  e trilhar um caminho que o leve para o aniquilamento sócio e econômico de seu povo.
Então…..!