Autores Postado porLiberdade - O Jornal

Liberdade - O Jornal

1235 POST 0 COMENTÁRIOS

0 323

Ambos vieram para cantar, em homenagem ao Cenair que graças aos esforço de José Roberto e amigos, esta sendo homenageado com uma bonita estátua em terras de São Miguel.
Mas vimos mais, além de ouvir atentamente…

Liberdade – Patrício esta terra que representa liberdade, que representa tantas lutas e o teu pai fez parte da representatividade desta história ele e os outros troncos missioneiros, Pedro Ortaça, Jayme Caetano Braun, Noel Guarany e Cenair Maicá, e você ai Patrício, com uma característica muito singular, excelente cantor, gostaria de te perguntar o que representou a passagem do teu pai, Cenair, neste legado que deixou para as Missões e que deve te trazer muitas lembranças, aqui nesta terra de São Miguel.
Patrício: Primeiramente uma satisfação ter esta oportunidade no Jornal Liberdade e dizer que em São Miguel das Missões quando você dobra ai e lê aquela frase “esta terra tem dono” em guarani, aquilo me arrepia porque a gente vai vendo a história que a 300 e poucos anos, a forma que aconteceu, o Sepe defendendo São Miguel, ele e seus mais de 4mil guerreiros…Me arrepia de pensar que eles lutaram e aqui hoje podemos dizer que é uma terra de liberdade, é uma terra que quem é de São Miguel das Missões…eu tenho satisfação de dizer que eu sou daqui, que eu nasci aqui e meu pai sempre com muito carinho, cantou esta história dos índios, e hoje ver isso sendo reconhecido como Patrimônio… Tenho muito orgulho de ver gente de todo o mundo vir aqui nas Ruínas assistir o Som e Luz, então pra gente não tem explicação, não tem como expressar a grandeza que é, esta história pra nós. E a gente tem muito orgulho de representar esta terra, todos os miguelinos, todos missioneiros dos sete povos…Eu acho que São Miguel é a capital dos Sete Povos, é aqui que aconteceu tudo, os outros povos tem esta história também, os 30 povos, mas foi em São Miguel que Sepé disse “Esta terra tem dono” que é a liberdade, e é o que nos representa a liberdade de saber o que é ser liberto, esta cidade que contem suas regras, e que nos ensina a ser pessoas honestas e responsáveis, é disto que o país precisa. Ainda aqui em São Miguel das Missões esse grito de liberdade, para um povo, para uma nação e para o mundo.

Liberdade – Você tem alguém na família que se expressa desta forma, gesticulando, se expressando de forma tão viva. Você é uma figura realmente diferenciada nesta forma de se comunicar, com os braços abertos, como que abraçando, tem manos que também se expressam desta forma em tua família. Além de os Maicás serem conhecidos todos por serem excelentes cantores, você tem esta característica abrindo os braços, como que abraçando o pampa, a todos, isso também remete muito a Cenair Maicá, a esta terra, à liberdade…?
Patrício – Sim, os irmãos também todos, o Miguel, os tios, o tio Tato, o tio Vitão, o tio Valdomiro, os primos, toda a família é que a gente se criou assim com este amor em ser livre, na roda de viola já de casa e a gente aprende, né.
Quando a gente é muito orgulhoso e fazer parte da família Maicá, porque nos ensinaram à música, a cultura, é uma forma de a gente remeter o Rio Grande, para as crianças que vem aí. Eu acho que é muito bonito, a nossa cultura de cantar, ainda mais música missioneira, pra nós é muito orgulho, muita inspiração.

LOJ – Você tem irmãos, quais são:
Patricío – Somos em cinco irmãos: Cotiguara que é o mais velho; Patrício, que sou eu: Miguel Caraí; Gabriel, que é falecido, vítima de leucemia e tem a Catira. Então somos em cinco irmãos.

Liberdade – Vocês que seguem o caminho do pai, Cenair, como cantores, artistas, você e mais alguns deles o fazem com competência na arte do canto?
Patrício – É uma satisfação que todos nós cantamos. Só que alguns são empresários em Santo Ângelo. A minha irmã, Catira mora nos Estados Unidos; o Potiguara mora em Palmas, no Tocantins. Eu sou militar aqui em Santo Ângelo e também lido com a música, quando me convidam para cantar, como hoje aqui, com o Piquete Tauras do Rio Grande, este povo que veio lá de Cruz Alta, passando pelo Caaró, depois aqui por São Miguel. Nos convidaram para fazer uma homenagem ao Pai, a mim e ao tio por causa deste monumento que São Miguel das Missões acolheu de fazer para o Pai.
A família Maicá está muito feliz porque pras futuras gerações, saber quem foi Cenair Maicá. Foi o que cantou a história das pessoas, cantou também com Noel, com Jaime, cantou os índios, cantou a nossa história.
Nosso turismo de hoje está há 30 anos pra frente. O Pai dizia que São Miguel, daqui há 30 anos, vai ser um dos maiores turismos do Sul. E hoje já é isso.
E querem já fazer esta ponte, aí, a gente está muito feliz, a coisa vai acontecendo, vai dar tudo certo e São Miguel está vindo gente de todo o mundo pra ver que história é essa. Então a gente fica muito orgulhoso, de ser miguelino.

0 256

A definição de qual seria nossa principal atividade, aqui nas grotas do mundo, espaço menos desenvolvido, nos reservou um destino que nos pesa e uma situação que ardilosamente plantada, nos deixa e faz difícil de entender.
Há alguns decênios, grandes empresas estrangeiras, de países ricos, concluíram que o alimento seria uma das peças importantíssima na geração de riqueza no futuro.
Daí que traçaram um plano de usar alguns países que poderiam vir a contribuir para tal intento, da forma mais eficaz o possível, claro, atendendo a crescente demanda por alimentos e lotando os seus cofres.
Assim, Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai, etc…., países onde os recursos naturais abundam e terras cultiváveis e ainda não exploradas também, se prestariam como cobaias para seus grandes projetos.
Deles, além dos recursos naturais e minerais; a mão-de-obra barata a ser explorada, a produção de alimentos para atender a oferta em atacado e a preço barato, seria possível.
Também já sabiam eles que em chegando com dinheiro, recursos para financiar e extrair daí o produto que quisesse, o resto seria um passeio. Começariam pelo governo, pelos bancos…
Afinal, viram o dinheiro, teriam o dinheiro e poderiam usar dele, se beneficiar dele, tirar as vantagens que ele oferece.
Só teriam para ter isso que “vender à própria pátria” e, com os argumentos que traziam, isso passaria ao largo de ser crime.
Para produzir aqui o que queriam, o grão e a carne, a fruta,…. precisariam de eficiência. Ou seja, menos gente no campo.
Daí que inventaram outra forma para “limpar o campo”: Aliaram-se a outros segmentos da sociedade e mostraram também a eles a beleza que a riqueza promove.
Foi um “ver e defender” no minuto seguinte e os chamados líderes de “movimentos sociais” começaram a aparecer. E, estes incentivavam a venda ou aventura de famílias para debaixo das lonas onde, “o governo”, também manipulados por àqueles, agiria (no futuro) a seu favor.
O que apareceu de amigos e parceiros para motivar até o abandono de pequenas propriedades, para ir para os acampamentos do “movimento”. Claro, seus líderes, viviam e teriam um futuro bem diferente daqueles “colonos reformados” teriam no futuro. Ao menos se apregoava isso.
Deu no que iria dar: a ida daqueles para as periferias da cidade. Mas, conforme o também planejado, isso aconteceria de forma mais lenta, menos visível para não motivar revoltas e, o interesse do grande capital que se valia do Estado e seus parceiros corruptíveis, seria um passeio; como foi.

Uma outra grande preocupação destes financistas da produção de alimentos, para o mundo, tinham outra preocupação: pacificar o espírito dos manipulados e críticos:
Então, através da propaganda e do financiamento e suborno de centenas de políticos, aliado ao fato que a “nova agricultura” produzia (ela sim) riqueza e comida para o povo – o resto na miséria só comia o que àquela seria capaz de produzir -, as bocas foram caladas e o ciclo do processo, todo, se fechou.
Claro, não sem antes tratar de cuidar de aliar um belo visual, de riqueza, para os que “aceitaram” às condições do novo sistema, podendo estes, cada vez em menor número e mais apoderados, dispor de uma tecnologia e luxos que há pouco era inimaginável por um mortal nestas aldeões de Deus.
Convêm aqui salientar o papel pacificador das igrejas neste processo de depena; da manipulação da educação e desvirtuamento de seu real e melhor propósito; da eliminação ou doutrinação da mídia ainda livre através da sedução de oferta de valores financeiros que se encarregaria e abriria espaço para à propaganda, entre outros.. dando cabo do projeto de interesse dos grandes e gananciosos capitalistas ou, de governos que se valem do socialismo para o povo e o mundo para eles, logrando êxito na imposição da miséria para a grande maioria e na formação de um gigantesco arcabouço de faz-de-contas e sensação de felicidade que torna a massa aí, escrava, sua própria zeladora e defensora de seus algoz e da própria miséria.

0 222

    A fração do Bairro Alegria, que havia sido ocupada pela população após a espera de pelo menos 10 anos e acabaram sendo forçadas a se retirar do local, agora com infraestrutura pronta e espaço para construção para a construção das casas populares.
    A morosidade se deve ao fato de a Caixa ainda não ter liberado os recursos e pode que atrase ainda mais, por suposta irregularidade de governos anteriores que teriam destinado recursos, mas não haveria previsão no orçamento.
   O Bairro Alegria é um dos vários bairros de São Miguel das Missões, mas é considerado o maior e atualmente uma grande mobilidade interna é registrado na área urbana do município, assunto levantado pelo LOJ em suas edições escritas.

0 319

Segundo o papa, Francisco, índio quer viver na mata, quer ser livre, não quer luxo, mas viver como antigamente.
O papa que está coordenando um Sínodo, no Vaticano, que trata de questões da Amazônia, a miséria e a exploração que acontece na região é algo que o mundo não pode aceitar.
A bem que se lembre, a Amazônia abrange vários países, além do Brasil.
Já o governo brasileiro, oriundo da linha militar, não tem deixado se seduzir pelas declaradas “boas vontades” do Vaticano e, alerta que o que interessa de fato, a igreja e a alguns países europeus, é o que tem debaixo dos pés dos índios. Lembra, que “esta terra tem dono. Nós a recebemos de Cabral e dos santos, desde a época de Santa Cruz”.

Bolsonaro, presidente brasileiro, nem sabe para que lado se atira: se defende o filho, candidato a “teta” próximo ao governo Trump; se atende às redes sociais para fazer frente a agressiva frente contra seu governo por parte das grandes mídias ou, se manda apagar os pés de fogo que ainda teimam em fazer fumaça na Amazônia.

0 235

Todos os anos a cooperativa Unimed Missões/RS adere à campanha Outubro Rosa, que visa estimular a prevenção do câncer de mama e conscientizar sobre a importância do diagnóstico precoce.

Hoje, são diversos os recursos tecnológicos que ajudam no reconhecimento da doença. Os exames preventivos podem diminuir em até 25% dos casos de morte relacionados ao câncer de mama. Durante o mês de outubro, o Serviço de Diagnóstico por Imagem da Unimed Missões/RS recebe decoração especial, visando recepcionar as clientes que aproveitam o mês para fazer seus exames. O setor disponibiliza de mamografia, ecografia mamária e ressonância de mama, exames que se complementam e são capazes de identificar alterações na área da mama.

No primeiro dia do mês, os colaboradores da cooperativa trabalharam usando a cor rosa, também em apoio à campanha Outubro Rosa. Outras ações estão sendo realizadas pela Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) e área de Atenção à Saúde. Uma delas foi a palestra com o médico radiologista, Dr. José Hermes Ribas do Nascimento, voltada aos colaboradores, com o tema Incentivo à Prevenção do Câncer de Mama. Ainda foi realizado o evento “Valorize a mulher que você é”, que abriu espaço para o cuidado das colaboradoras com a saúde e bem-estar, contando com a presença de profissionais de diversas especialidades e instituições.

“A campanha Outubro Rosa é uma oportunidade de, como cooperativa de saúde, ressaltarmos a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama e de informar sobre a necessidade do autoexame e dos exames de Diagóstico por Imagem. São eles que permitem que, mesmo com a confirmação do câncer, existam maiores chances de cura e de garantir um tratamento de qualidade”, destaca o presidente da Unimed Missões/RS, Dr. Roberto Valandro Bellinaso.

Durante todo o mês, os prédios da cooperativa estão iluminados com a cor rosa, em alusão e homenagem ao movimento.

0 373

ELEIÇÃO CONSELHO TUTELAR – Município de Entre Ijuís

A eleição ao Conselho Tutelar, dia 06/10, unificado em todo o território nacional e no nosso município teve como candidatos (as):

NOME DO CANDIDATO NÚMERO

1- NELI ILSE ROSA 80

2- MARLI RAMOS 81

3- JACQUELINE DE DEUS MOURA 82

4- ELOÍSA ROCHA DE MOURA 83

5- MARCIA FROES TEIXEIRA 84

6- FABIANA QUEIROZ RESCHKE 85

7- TAMIRES SECCO 86

8- ANA PAULA 87

9- MARA SEVERO DE AGUIAR 89

10- JOSY FROES 90

11- OLGA CRISTINA 91

12- EVELYN LAUTERT (FOFA) 92

As eleições foram através de urnas eletrônicas e poderão votaram os eleitores de Entre-Ijuís que estão quites com suas obrigações eleitorais.  

                                   —————————

ELEIÇÃO CONSELHO TUTELAR

A eleição ao Conselho Tutelar, dia 06/10, unificado em todo o território nacional e no nosso município teve como candidatos (as):

NOME DO CANDIDATO NÚMERO

1- NELI ILSE ROSA 80

2- MARLI RAMOS 81

3- JACQUELINE DE DEUS MOURA 82

4- ELOÍSA ROCHA DE MOURA 83

5- MARCIA FROES TEIXEIRA 84

6- FABIANA QUEIROZ RESCHKE 85

7- TAMIRES SECCO 86

8- ANA PAULA 87

9- MARA SEVERO DE AGUIAR 89

10- JOSY FROES 90

11- OLGA CRISTINA 91

12- EVELYN LAUTERT (FOFA) 92

As eleições foram através de urnas eletrônicas e poderão votaram os eleitores de Entre-Ijuís que estão quites com suas obrigações eleitorais.

              ————————

O Prefeito Brasil Antonio Sartori prestigiou a inauguração da Sala de Monitoramento da Delegacia Regional da SUSEP na Capital Missioneira, Santo Ângelo, que agora é comandada Delegado Ederson Pires Dorneles. Vários Servidores prestigiaram a importância deste fato, como por exemplo, Delegados que vieram de outras regiões do Estado. Presença de Vereadores, Assessores, Ex-Prefeitos, Juízes, Promotores e Convidados.

           —————–

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

A Prefeitura Municipal de Entre-Ijuís, por meio do seu Prefeito, Brasil Antonio Sartori, determinou a revisão do PMSB, nos termos dos conteúdos exigidos pela Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades. Já de outra parte, formalizou o Decreto e as devidas regulamentações da Designação do Comitê Executivo, Coordenador Geral e Responsável Técnico, bem como, do Comitê de Coordenação, com suas respectivas responsabilidades e atribuições. Serão realizadas discussões, reuniões e audiências públicas, especialmente dirigidas à representação popular e interessados em geral. Participe e ajude a revisar o Plano Municipal de Saneamento Básico de nossa Cidade.

O que é PMSB: O Plano é o principal instrumento da política de saneamento básico. Ele deve expressar um compromisso coletivo da sociedade em relação à forma de construir o futuro do saneamento no território. O Plano deve partir da análise da realidade e traçar os objetivos e estratégias para transformá-la positivamente e, assim, definir como cada segmento deve se comportar para atingir os objetivos e as metas traçadas.

CONTEÚDO DO PLANO: O Plano deverá abranger todo o território do município, compreendendo a área urbana e rural. Contemplará de forma integral os QUATRO COMPONENTES DO SANEAMENTO BÁSICO: Abastecimento de Água, Esgotamento Sanitário, Limpeza Urbana e Manejo de Resíduos Sólidos, Drenagem e Manejo de Águas Pluviais Urbanas.

                               ————————————-

Grupos de Educação em Saúde promoveram na manhã da última terça-feira(01), por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) a Caminhada do Outubro Rosa. A caminhada reuniu mulheres que, após exercícios de alongamento em frente à Secretaria da Saúde, deslocaram-se até a prefeitura onde foram recebidas pelo prefeito Brasil.

No percurso todas cantaram a música que faz parte da campanha Outubro Rosa, e com um brilho nos olhos e grito na garganta, foi possível mensurar a grandeza e o poder da mulher, na luta contra o Câncer de Mama.

O prefeito Brasil destacou a importância do envolvimento da população com a prevenção.

“É muito bom ver de perto um movimento como este. Parabéns aos organizadores e a todos que tiraram um momento da sua manhã para se envolver nesta causa”,.destacou o prefeito.

Ao final, todos juntamente com o prefeito, tiraram fotos no Gabinete e em frente a prefeitura para marcar essa caminhada como um dos símbolos da luta e combate ao Câncer de Mama na cidade de Entre-Ijuís

                           ——————————

PROGRAMAÇÃO OUTUBRO ROSA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

SAÚDE MENTAL

ORGANIZAÇÃO NAAB/ NASF

08/10- DANÇA ROSA CIRCULAR COM A TÉCNICA SIMONE RIGO NO SALÃO PAROQUIAL ÀS 08H:30MIN.

09/10- DANÇA ROSA CIRCULAR COM A TÉCNICA MARISTELA MORAES NO GINÁSIO DA ESQUINA GAÚCHA ÀS 9:00 H.

15/10/2019 TERÇA-FEIRA DIA D OUTUBRO ROSA PREVENÇÃO AO CÂNCER DE MAMA E DESFILE DE MODA ROSA ORIENTAÇÃO E CONVERSA COM O DR VOLNEI SELMAR TEIXEIRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA LOCAL: SALÃO PAROQUIAL ÀS 14 H PÚBLICO: SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E MULHERES DA COMUNIDADE EM GERAL DESFILES DE MODA DAS LOJAS PARCEIRAS: AS PARTICIPANTES DAS MULHERES ATIVAS QUE IRÃO DESFILAR

                                   —————————————

TRANSFERÊNCIA DA TARDE DE CAMPO

A Emater juntamente com a Prefeitura Municipal de Entre-Ijuis vem comunicar que a tarde de campo que era para ser realizada na ultima quinta-feira e que foi cancelada devido a instabilidade do tempo está com nova data para ser realizada. O local é mesmo já definido na propriedade do Sr.. Junior Rafael Schreiber Heldt, localizada na Serra de Baixo na São José DIA 05 DE DEZEMBRO DE 2019.

0 326

Em que os portugueses deixaram espaço e os espanhóis acabaram ocupando e que deixou suas influências no extremo Sul do Brasil?..

Durante a falta da corte de Portugal e que a região costeira do Uruguai – às Missões -, passaram a ser todas de influência da Espanha, o que acabou deixando de herança este legado na região?

Tem a ver com a realidade atual, o domínio, a influência política local atual, a forma de dominação aí vigente?

0 229

No município de Caibaté, a imagem do povo comemorando a Semana destinada a homenagear a Pátria amada, o Brasil

Na ocasião, também deu-se início as festividades da Semana Farroupilha, que acabou sendo outro grande sucesso de participação popular e quando foi anunciado grandes projetos para o CTG Sentinelas do Caaró e para a Comunidade, como condições mais facilitadas à possíveis sócios com renda menor…

0 483

            Primeiro dia da Romaria à São Miguel Arcanjo, em São Miguel das Missões, dia 29 de Setembro de 2019.

O primeiro dia, constava da programação o deslocamento da imagem de São Miguel Arcanjo, o que acabou não ocorrendo conforme o previsto, talvez pelo público aquém do divulgado, embora os lindos dias de sol que aconteceu também no segundo dia da Romaria.

0 263

Chegue seu moço, apeie, ….. puxe o pingo pro galpão,
Neste rancho de gaúcho,
Tem pousada e bom chimarrão!
Chegue, te aprochegue, entre, venha, ponha o pingo na sombra, te sinta à vontade, logo a ‘bóia’ tá pronta!

Hospitalidade, hospitalidade, marca reclamada por todo canto e lugar e, é assim que o gaúcho também recebe. Ou, ao menos deveria. Ao menos em muitos lugares, deveria ser assim, conforme se diz aqui mesmo em terras vermelhas do alto Uruguai. Então, para não esquecermos nossa cultura reclamada e tão desejada de hospitalidade, vamos repetir, mas conforme agimos muitas vezes na realidade…..;

Vamos lá:
Chegue seu moço, apeie, ….. puxe o pingo pro galpão,
Neste rancho de gaúcho,
Tem pousada e bom chimarrão!
Chegue, te aprochegue, entre, venha, ponha o pingo na sombra, te sinta à vontade, logo a ‘bóia’ tá pronta!

 E, vamos acrescentar o tempero, do tal do realismo:
“Puxe o banco, te sente que logo, logo o patrão tá se achegando. Eu tenho que dar’ umas voltas’, mas fique por aí, à vontade que ele logo vem!”.
Esta cultura tão importante, muitas vezes pronunciada da boca pra fora, nem sempre acontece da forma com que a divulgamos, que gostamos de dizer aos quatro ventos, ao mundo todo.
Em nossos discursos, reclamamos à visita e ao visitante que disponham, façam uso de nossa hospitalidade, mas no entanto, tratamos uns aos outros e a eles mesmos, como se estranhos sempre fossem; se não vierem para “pensar na forma com que pensamos; se não vier para somar àquilo que já temos, enfim, só será de fato tratado como amigo, depois das primeiras horas se e somente se, PRATICAR AO PÉ DA LETRA, a política do cão: de nos beijar às botas, caso contrário, será mais um a ouvir-nos em discursos falar de nossa grande hospitalidade.