Destaque
Postagens em destaque

0 31

-Logística em SMM
-A situação dos galos e o cabresto “qui me gusta!” e ridiculariza…

-A indução a investimentos em grandezas que nunca vimos;

-Porque a classe política odeia tanto à mídia não cativa?

-A anarquia na comunicação leva o povo a saber cada vez menos e a se confundir mais;

-Depressão, suicídio, …. nascem no poder, com os poderosos.

-O pior governo é o governo medíocre e quando mesmo eficaz, é ainda mesquinho.

-Porque os missioneiros tem que andar de pés descalços, com arco e flecha na mão esperando pelos turistas enquanto são atropelados pelo lavourão?

-Porque anunciar no Liberdade é questão de inteligência?

-Amém: os que vão morrer te saúdam, aqui no São Miguel!

-As dificuldades que o Entre Ijuís tem em se libertar da Mãe!

-Santo Ângelo se verticaliza;

-Caibaté não existe. Existe sim, tem a Cermissões, o povo e depois a prefeitura.

-Porque Mato Queimado incendiou a floresta e se libertou de seu vizinho?

-A mediocridade no cafundó sustentado por reizinhos e reinados de faz-de-contas..

0 63

Semana Farroupilha com cobertura do Liberdade – O Jornal é certeza de sucesso. De que à comunidade terá espaço em nossas páginas durante o ano todo.
O Liberdade faz pelo nosso povo e todo mês, todo ano, centenas, milhares de fotos são oferecidas para que o mundo veja como vivemos, do que nos orgulhamos e do alto senso crítico que temos aqui em terras das Missões ao Sul de nosso país.
Agende em tempo a cobertura do Liberdade – O Jornal e seja abençoado!

Agradecemos àqueles que já procuraram o Liberdade e aqui também confirmamos nossa presença na cobertura dos eventos os quais já temos acertado.

0 35

Lá vem, o Tauras, lá da Cruz Alta, em direção ao M’Bororé.
E, lá pelo dia 07 do Setembro, à noitinha, tem festa no CTN de São Miguel.

E, todos vocês estão convidados para uma noite única, com festa, charla, muita música e interação.
Você é nosso convidado, depois a gente ajuda eles a levar junto um lampejo da chama de nossa hospitalidade.

0 50

O Jornal Liberdade tem alertado para algumas políticas que já historicamente vem sendo adotado na região missioneira.
Leituras mal elaboradas, fuga do foco, embaralham decisões e acabam por resultar em danos imensuráveis à sociedade produtiva e à sociedade como um todo.
O como isso acontece, nas páginas do Liberdade temos dado, minuciosamente, dicas de supostos comportamentos e ações que resultam neste resultado já a cada dia menos desejado.
Como consequência disso – e, aí também o Liberdade tem dissertado -, trazemos à luz a importância inegável das veias de hidratação destes mercados pelo “sangue” que correm nas rodovias que cortam ou tangenciam nossos municípios.
Há de se acrescentar aqui que também temos dissertado sobre nossa geração de riqueza como vem acontecendo, seus efeitos, tendências,… etc, e suas relações com o nosso desejado crescimento.

Nesta oportunidade porém, faz-se mister colocar mais uma pitada do que ainda há pouco dissertamos em edição recente, de que bem capitaneado e com a unidão de todos, o município de Entre Ijuís poderá sim se transformar em uma Meca nas Missões.
Ouvimos o prefeito do Entre Ijuís, Brasil Sartori, que nos alertou sobre as dificuldades ora postas e que segundo ele, ainda dificultam a realização mais rápida deste sonho que iniciado,poderá ter seu alento em espaço breve de tempo, às margens de importante rodovia que corta o município.
Se as supostas barreiras seriam ou não superáveis, cremos que sim; que podem ser sim.
Para tal, governo e comunidade, com ‘olhar acertado’, poderão fazer com que isso aconteça. Nós, estamos chegando, dialongando….. ouvindo governo e sociedade, aí também.
Tornar eventualmente este município atrativo para as Missões, para todos os municípios missioneiros em seu entorno não é algo nocivo para os outros atraídos, pelo contrário. Até porque o Liberdade tem dissertado e procurado mostrar que ou o fenômeno da redução de pessoal em suas origens não for sequer amenizado, a força ativa de trabalho, a juventude e, agora os investimentos, tenderão a ir-se e, melhor que seja para aí perto do que para bem mais longe.
Também, a bem que se diga e lembre, que vários fatores, exaustivamente dissertado nas páginas do Liberdade, caracterizam e dão claros sinais de fenômenos futuros, sejam que envolvam mobilidade social, financeira, de produção e outros…
Aos poucos, o Liberdade – O Jornal, irá dissertar também sobre este possivel contexto que o governo do município já vem buscando e está à flôr para ser explorado para o bem dos seus municipes e comunidades do entorno

0 49

Sim, São Miguel das Missões recebeu, há algum tempo atrás, a visita de dois ex-presidentes da República Federativa do Brasil: Dilma Roussef e Lula da Silva.

Também foi a única vez que uma mulher presidente, visitara o município. Até porque fora a única até então a ser eleita como tal.
Lula, já havia visitado antes.
Na incrível foto do Liberdade – O Jornal, você pode ver o povo ao fundo, em uma avenida separada pela tela que circunda o Sitio Arqueológico, de onde gritavam um “fora, Lula!”. Época em que o ex presidente contava as horas antes de acontecer sua prisão, fruto de investigação na operação Lava Jato, da Polícia Federal.

0 49

Tomou posse a nova Patronagem do CTG Sentinelas do Caaró, em Caibaté/ RS, quando o Patrão, Valdir Veloso e a Patroa, Claudia G. Veloso assumiram a responsabilidade, diante da presença de um público espetacular que lotou o gigantesco espaço do Lanceiro, no centro urbano do Caibaté.

Mais, você poderá ver na ed escrita do Liberdade – O Jornal

0 185

MEMÓRIAS VIVAS

Por SIMONE MEOTTI, Advogada

Há algum tempo li num livro que conta a respeito da fundação do Museu das Missões, localizado no sítio arqueológico São Miguel Arcanjo, na cidade de São Miguel das Missões, que a busca pelas imagens sacras que se encontravam espalhadas pelos arredores da redução após o seu “abandono” não teria sido de um todo tranquila, tendo em vista a resistência apresentada por considerável parte das pessoas que as mantinham sob seus cuidados. E a ideia de ter que as entregar para que pudessem integrar o acervo do museu inevitavelmente gerou descontentamento e sofrimento, já que, com o passar dos anos, tais imagens tornaram-se parte da vida dessas pessoas, seja em suas casas particulares, seja em seus núcleos comunitários.
Ao ler a respeito disso confesso que achei bastante interessante, pois trouxe a lume uma situação sobre a qual nunca havia pensado. Sou daquelas pessoas que gosta de visitar museus e bibliotecas, cuja atmosfera é convidativa à leitura e ao conhecimento histórico. E o Museu das Missões é lindo, de uma riqueza cultural incrível! Mas, quando a gente encontra tudo pronto não imagina os fatos que se sucederam para concretizar a ideia de reunir em um só local todas aquelas imagens e fragmentos reducionais, permitindo, com isso, a visitação pelo público em geral.
Escrevo sobre este assunto porque, dia desses, conversando informalmente com o Sr. Adão Miguel Ferreira, colaborador do Jornal Liberdade, surgiu o relato de o mesmo ter vivenciado esta situação juntamente com seus familiares; pois, segundo conta, a imagem de São Gabriel Arcanjo, que hoje integra o acervo do Museu das Missões, por muitos anos esteve sob os cuidados de sua família, tendo passado de geração para geração, até o momento em que receberam a notícia de que havia uma ordem para que a entregassem a fim de que a mesma pudesse ser exposta em local adequado, assim como aconteceria com todas as demais imagens que estavam sendo resgatadas junto às famílias e comunidades que as mantinham. Acredita que isso foi em meados de 1936/1937.
Lembra que a imagem do arcanjo ficava num altar existente na varanda da casa, juntamente com outras imagens de devoção da avó, porém estas outras não eram oriundas do período reducional.
A casa em que a família vivia localizava-se na “esquina da taipa das ruínas”, segundo suas próprias palavras.
Relata que sua avó, Justina Manoela Ferreira Burgedurf, na época já com mais de 80 anos de idade, chorava muito e se negava a entregar a imagem de São Gabriel ao zelador que a requisitava, Sr. João Hugo Machado, devido ao grande apego e devoção que lhe dedicava. Lembra que seu pai tentava convencê-la, explicando que era uma ordem do governo e que a família teria que obedecer; porém, a mesma não se conformava.
Conta que, tamanho era o carinho e fé que a avó nutria pelo arcanjo Gabriel, representado pela imagem que havia feito parte de praticamente toda a sua vida, que, na ocasião do seu falecimento, o pai do Sr. Adão, Sr. Avelino Manoel Ferreira, pediu autorização ao responsável pelo museu para levar a imagem até o funeral. A imagem do arcanjo foi colocada junto ao caixão no percurso feito de carroça até o cemitério para o sepultamento. Sendo devolvida ao museu logo após o encerramento do cerimonial fúnebre.
Além dessa circunstância, o forte envolvimento das imagens remanescentes do período reducional com a população residente nos arredores da antiga redução fica evidente quando o Sr. Adão nos conta que lembra também de seu pai ir a cavalo até a comunidade de São João Mirim, “lá pros lados de Jóia”, fazer visitas à imagem de Nossa Senhora da Soledade, também chamada de Nossa Senhora das Dores, considerada na época “santa muito milagreira para os criadores de gado”. Diz que o pai levava velas em agradecimento à proteção recebida e que alguns criadores presenteavam a Santa com cabeças de gado, as quais eram entregues para a senhora que era dona da propriedade em que a imagem estava localizada. 
São memórias vivas que merecem ser registradas de alguma maneira para que não se percam com o tempo, para que, ao serem relembradas, façam-nos valorizar tudo aquilo que temos hoje e que não “nasceu” pronto, mas que foi construído aos poucos, envolvendo conflitos de ideias e sentimentos.

 

Quem sabe dia desses o Sr. Adão escreva a respeito, com as suas próprias palavras e com maiores detalhes.

0 94

O Liberdade – O Jornal é uma pequena empresa – MEI -, de mídia que nasceu em São Miguel das Missões/RS
Por hora, estamos convidando políticos, ex-políticos, de nossa região de abrangência para que – merecedores -, venham a nos prestigiar contando suas histórias de apoio, nos 15 anos de existência do jornal, para a manutenção desta empresa que hoje, chega com suas edições escritas, em pelo menos 5 municípios da região missioneira.

Faz mais: praticamente em todas as semanas, ao menos uma vez, chegamos em cada um deles onde nos hidratamos de informação, conhecimento e forte ouvidoria.

Destemido desde sua origem, o pequeno LOJ não leva ninguém para compadre. Nem temos algo ou alguém, que não Deus, o povo e a justiça, para prestar contas de nossos atos. Também não temos vínculos de dependência com políticos ou quem quer que seja.

De experiência, podemos dizer que ao menos na região de nossa atuação, algo próximo a 28%, em uma escala de 100%, está o espaço para uma real liberdade de informação.

O maior empecilho se coloca de alguma forma violenta. Seja do próprio poder político; de seus influenciadores e interesseiros; das corporações; do poder econômico e até da própria justiça, por vezes que, tudo fazem para…. sim, tudo fazem, para o povo se manter na ignorância, levando adiante o atraso possível de ser postergado.

            O que nos move, é o lema: “Trabalha, ama, confia e espera no Senhor teu Deus”. Do resto, do dia de amanhã, não temos como saber.

0 140

Registro da passagem do ex presidente, Lula da Silva e Dilma Roussef, por São Miguel das Missões antes de vir a ser preso em função da chamada, Operação Lava Jato.

Na foto, do Liberdade – O Jornal, pode-se ver ainda os vestígios da catedral jesuítico-guarani e algumas das imagens de santos, fruto do trabalho dos indígenas auxiliados pelos padres jesuítas..
Após este evento, um forte vendaval destruiu em grande parte o acervo destas imagens que continuam sendo recuperada por profissionais supervisionados pelo IPHAN.