Geral

0 44

Povo, te conto que quando a gente lá distante, longe, pras bandas da capital, quando fazemos referência a nossa Santo Ângelo, vem sim um suspiro. Suspiro de saudades..
Saudades de um povo carinhoso como só, de um rio que colhe e hidrata ao mesmo tempo como àquela cidade lá nos EUA e que há 200 anos a água é a mesma. A nossa, nisso, não. Ela hidrata, coleta e se vai largar tudo no Ijuí que, por sua vez larga no Uruguai e este, no Oceano.
Lá a gente nem vê.
Mas a minha Santo Ângelo, querida como poucas igual, tem também suas dificuldades. Aliás, como tantas outras cidades nesse nosso enorme país. Tem muita gente pobre, à margem da cidadania; tem muitos animais fazendo o trabalho de tração como escravos que continuam sendo. Mas não nasceram assim.
Tem também muito empresário descontente e, muitos contentes. Aliás, como em muitos outros lugares. Só que aí, um “tiquinho” a mais. Com alguns políticos locais, velhas raposas.
E são estas raposas, espertas, que sabem que para hidratar a casa, a deles, um dos caminhos mais conhecidos é manter alguém como seu escravo e, no caso, para eles aí em Santo Ângelo, alguns municípios na margem da bela capital missioneira, eternamente se prestarão a este papel.
Entre estas sabedorias e outras, as quais algumas discordamos, é vir – por exemplo -, para o São Miguel e nos mostrar com trouxas de pano, vestidos em cavalo, como que a brandir espadas, nos mostrando sempre como heroicos guerreiros. Só veem e mostram coisas belas… digo, as coisas belas que temos aqui. Explico:
Estão habituados a virem aqui, a mídia de alguns políticos daí e mostrar o que a pequena elite, eternamente auto proclamada de nossa representante, vive, vê e cultua: só o belo.
Foto nossa, do povo, que por vezes é considerado um tanto feia, ahh, isso eles não mostram. E tem suas razões: dão a entender ao povo que a nossa realidade é àquela, não a outra, a que realmente vive.
Ainda dão-se ao serviço – como se não bastassem os lacaios serviçais que os hidratam de nossas “boas imagens”, ainda de vir em nossa Casa nos detonar. Sim, nos detonar, caso não aceitemos o cabresto o qual para eles sempre “foi normal”, imaginem?
Mas há novos sinais no horizonte e o tempo dos espertos, dos sanguessugas, neste país começa a encurtar, acreditam?
Que tal se eles, alguns de meus colegas daí falassem das milhares de pessoas que passam por severas necessidades em seu município, a nossa bela Santo Ângelo?.. que tal?.. porque quase nunca os veem?… eles não existem?…. qual o caminho que oferecem para os municípios ao seu redor ou, para eles, àqueles seus próprios cidadãos que alguns de vocês tratam como se fossem um nada, uma mera cifra capaz ou não de votar, a escória da sociedade, os pobres do município?…..
Que tal arranjar um lote a mais ou, de alguma forma possível o número de primeiras-damas para se encarregar da multidão dos mesmos e aí, sim, poder vir detonar com iniciativas caras nas periferias desta matriz capenga ainda sustentada pela velharia que temos e que já muito nos absorve? ….

Povo, te conto que quando a gente lá distante, longe, pras bandas da capital, quando fazemos referência a nossa Santo Ângelo, vem sim um suspiro. Suspiro de saudades..
Saudades de um povo carinhoso como só, de um rio que colhe e hidrata ao mesmo tempo como àquela cidade lá nos EUA e que há 200 anos a água é a mesma. A nossa, nisso, não. Ela hidrata, coleta e se vai largar tudo no Ijuí que, por sua vez larga no Uruguai e este, no Oceano.
Lá a gente nem vê.
Mas a minha Santo Ângelo, querida como poucas igual, tem também suas dificuldades. Aliás, como tantas outras cidades nesse nosso enorme país. Tem muita gente pobre, à margem da cidadania; tem muitos animais fazendo o trabalho de tração como escravos que continuam sendo. Mas não nasceram assim.
Tem também muito empresário descontente e, muitos contentes. Aliás, como em muitos outros lugares. Só que aí, um “tiquinho” a mais. Com alguns políticos locais, velhas raposas.
E são estas raposas, espertas, que sabem que para hidratar a casa, a deles, um dos caminhos mais conhecidos é manter alguém como seu escravo e, no caso, para eles aí em Santo Ângelo, alguns municípios na margem da bela capital missioneira, eternamente se prestarão a este papel.
Entre estas sabedorias e outras, as quais algumas discordamos, é vir – por exemplo -, para o São Miguel e nos mostrar com trouxas de pano, vestidos em cavalo, como que a brandir espadas, nos mostrando sempre como heroicos guerreiros. Só veem e mostram coisas belas… digo, as coisas belas que temos aqui. Explico:
Estão habituados a virem aqui, a mídia de alguns políticos daí e mostrar o que a pequena elite, eternamente auto proclamada de nossa representante, vive, vê e cultua: só o belo.
Foto nossa, do povo, que por vezes é considerado um tanto feia, ahh, isso eles não mostram. E tem suas razões: dão a entender ao povo que a nossa realidade é àquela, não a outra, a que realmente vive.
Ainda dão-se ao serviço – como se não bastassem os lacaios serviçais que os hidratam de nossas “boas imagens”, ainda de vir em nossa Casa nos detonar. Sim, nos detonar, caso não aceitemos o cabresto o qual para eles sempre “foi normal”, imaginem?
Mas há novos sinais no horizonte e o tempo dos espertos, dos sanguessugas, neste país começa a encurtar, acreditam?
Que tal se eles, alguns de meus colegas daí falassem das milhares de pessoas que passam por severas necessidades em seu município, a nossa bela Santo Ângelo?.. que tal?.. porque quase nunca os veem?… eles não existem?…. qual o caminho que oferecem para os municípios ao seu redor ou, para eles, àqueles seus próprios cidadãos que alguns de vocês tratam como se fossem um nada, uma mera cifra capaz ou não de votar, a escória da sociedade, os pobres do município?…..
Que tal arranjar um lote a mais ou, de alguma forma possível o número de primeiras-damas para se encarregar da multidão dos mesmos e aí, sim, poder vir detonar com iniciativas caras nas periferias desta matriz capenga ainda sustentada pela velharia que temos e que já muito nos absorve? ….

0 70

Sempre em honra a nosso Deus
Esta é mais uma missão
Abraçamos a tradição
E nos entregamos com fé
Aqui no meu Caibaté
Que me adotou como filho
Eu repito em estribilho
Gratidão pela confiança
Porque a generosa lembrança
Me enaltece em tanto brilho.

Bendizemos os três mártires
Sem apegos a minúcias
Salve a nossa SANTA LÚCIA
Na Claridade de caminhos
O tempo é o nosso alinho
E ele é o senhor da razão
Tudo é entregue ao coração
Desconhecemos outra forma
E adotamos como norma
Força, Luz e Proteção.

Saudamos as autoridades
Sem forma protocolar
Porque vamos nos irmanar
Na igualdade da empreitada
Sozinhos, não somos nada
E eu peço a Deus ombros fortes
Para aguentar o suporte
E nesta cadeia de união
Fazemos elos das mãos
Na base que nos conforte.

Nós vivemos o presente
Embasados no passado
Na lembrança de legados
Concretos de corpo e alma
E é isso que nos acalma
E guiando, nos energiza
Porque o chão que a gente pisa
É Bento por natureza
E é daqui que vem a certeza
De que um sonho se realiza.

Conclamo darmos as mãos
Desde o CAPATAZ GERAL
A união é primordial
E é assim que se faz
E junto ao SOTA CAPATAZ
E o AGREGADO FIEL
Todos cumprindo um papel
E é isso que nos iguala
Quando o AGREGADO DAS FALAS
E perfeito igual cinzel.

As INVERNADAS ARTÍSTICAS
ESPORTE E CULTURAL
São artes de cunho social
Nesta terra missioneira
Mais a INVERNADA CAMPEIRA
E a INVERNADA DO CHURRASCO
Ninguém aqui fará fiasco
Todos somos solidários
Seguimos o itinerário
Em terra firme e penhasco.

Ressaltamos os PATRÕES DE HONRA
E o CONSELHO DE VAQUEANOS
Nós não somos soberanos
Mas sim, eternos aprendizes
E aqui as bases, as raízes
Sempre serão consultadas
Porque são vozes abalizadas
DO SENTINELAS DO CAARÓ
E apagam qualquer pó
De maneira mais respeitada.

E felizes relembramos
SEIS DE AGOSTO DE MIL NOVECENTOS E SESSENTA E SETE.
A história hoje se repete
Já se vão CINQUENTA E DOIS ANOS
Recordamos os mesmos planos
Aonde só existia um terreno
Mas ninguém pensava pequeno
E o “presente” assim se expande
Ao ver o SENTINELA DO RIO GRANDE
Com um novo projeto bueno.

O SENTINELA DO CAARÓ
É o guardião Riograndense da Cultura
E a nossa essência é tãopura
Mas nobre, em ser Sentinela
Poruqe aqui se revela
Arte, misticismo e história.
Uma fé em honra e glória
Orgulho destas Missões
Que enriquece gerações
Em anos luz de trajetórias.

E ali na SERRINHA DO URUBUCARÚ
Viveu o meu bisavô ORTÊNCIO
Que no seu eterno silêncio
Percorre nas minhas veias
E este sangue me rodeia
Porque aqui estou enraizado
É um pedado do passado
Que me energiza para a frente
Sendo humano e transparente
Sempre que for precisado.

Parabéns a todos os Pais
Nesta data consagrada
O Pai das mãos calejadas
E o Pai que usa a tecnologia
É o mesmo abrigo da cria
Porque ser Pai é um esteio
É o Sinuelo de um rodeio
Que ensina abrindo caminhos
E asa vezes a mãe, “é um Pai sozinho”
Apoiada em nosso meio.

Finalisando a mensagem
Eu e a Cláudia agradecemos
Por tudo o que aqui vivemos
O SENTINELA é uma família
Uma constelação que brilha
Aonde o respeito impera
O presente, e outras eras
São notas de uma harmonia
Cadenciadas dia a dia
Que o tempo não destempera.

0 51

Ai, foto do povo de São Miguel, mostrando ao mundo o quanto ele é um povo bonito.
Claro, nada que se diga: “ahh, são lindos! ou, ahh, são uns bichos!”, pelo contrário, é um povo mesclado, nem lindos, nem de matar de susto. Somos um povo em construção. Ou seja, já fomos piores. Agora, somos melhores e foi-se o tempo em que, quando um vivente nascia, o médico dizia à mãe: Se não latir em três dias, pode criar que deve ser gente!

Então….?

0 52

O LOJ tem dissertado, incansavelmente, sobre nosso povo, suas atribulações, seu desenvolvimento e algumas considerações que devem ser levado em conta. Tais como, o êxodo campo-cidade e o EFEITO DA PERDA DE VALORES, DE REFERÊNCIAS em uma sociedade em violenta transformação social e que não permite tempo para interpretações mais adequada para se evitar fenômenos como depressão, suicídio, etc…

Neste contexto, o poderio e apoderamento de alguns ‘grupelos’, do próprio poder politico, contribuem e em muito para agravar esta situação. E, nele, quem porventura se arriscar e à própria vida em denunciar tais desmandos, é sim esmagado, de uma forma ou de outra.

0 104

                  Nem bem chegou a tardinha e o céu parece que resolvera, outra vez, lavar a alma daqueles que – contam – ainda pairam sobre a velha catedral jesuítica, capital natural dos 7 Povos; povos missioneiros ao sul do Brasil.
Não vai longe quando ouvia o velho e agora saudoso, João Paiva me repetir: “Sartori, por sobre este campo, aí sobre as velhas ruínas pairam centenas, milhares daqueles que foram assassinados ou mortos depois pela fome, pelas feras pelas doenças”.
Para quem conhece São Miguel das Missões, pode até que passe como natural; para quem não conhece ainda, temos a certeza que quando ousar nos visitar, “sentirá coisas”. Sim, uma espécie de arrepio que corre de onde começa a nascer cabelo até o calcanhar – os dois.

Ainda lembro daquele dia, pela segunda vez que àqueles santos me contrataram a mim e a minha filha para fazermos a cobertura de um evento que – segundo suas intenções -, de aí orar e cantar, aconteceria na parte interna do Sitio. Espaço amplo por demais…

E, pela segunda vez, tiveram seu pedido negado. “Que fossem realizar seu evento do outro lado do cercado!”, imaginamos que devem ter ouvido.

E, assim foi. Debaixo de um vendaval, lá estavam eles orando, pedindo para que só a bondade no mundo tivesse espaço, só ela fosse vista.

Mesmo que lá dentro, digo eu que vos escrevo, próximo a tantas imagens cuidadosa e milagrosamente esculpida pelos guaranis e jesuítas, o flash da máquina, um que outro risco poderia motivar o indesejável. E, 
creiam, aconteceu.

No segundo dia, passa por São Miguel o segundo tornado que se tem registro na história.

O que ‘ascuscedeu’ é coisa para outra ocasião eu vos contar. Mas contam que alminha alguma daquelas se moveu aí de lugar. Pelo contrário, estão tão presas à terra que ainda esperam por liberdade; por libertação e que traga junto o tão sonhado respeito, àquilo que considera que todos são iguais e capazes, coisa bastante difícil ainda de se acreditar.

 

0 86

Deus odeia a violência doméstica e fica muito zangado com os agressores. A atitude correta para um cristão é lutar contra a violência doméstica e dar apoio às vítimas. A violência doméstica transforma a bênção da família em maldição.
Deus criou a família para ser o lugar onde todos se sentem seguros e amados. A violência doméstica destrói essa bênção de Deus. Onde há violência doméstica, a aliança da família é quebrada.
A violência doméstica acontece quando alguém na família abusa de seu poder e maltrata física e/ou psicologicamente outro membro da família mais fraco ou vulnerável. Na maioria dos casos o agressor é alguém com autoridade sobre a vítima. Essa é uma traição terrível, que Deus detesta. Os mais fortes e poderosos deveriam proteger os mais vulneráveis, não abusar deles! – Provérbios 31:8-9
Como ajudar uma vítima de violência doméstica?
Toda vítima de violência doméstica precisa de amor. Esse amor precisa ser mostrado com ações, não apenas com palavras (1 João 3:18). A vítima precisa saber que tem apoio e que não vai ser abandonada. Em termos práticos:
Investigue com cuidado
Há sinais reais de violência doméstica? Não ignore o pedido de ajuda mas avalie a situação e peça sabedoria a Deus (Tiago 1:5). Tente conhecer todos os fatos (mas tome cuidado com a forma que você faz as perguntas!). Se você não sabe o que fazer, procure a ajuda de alguém mais sábio, com a permissão da vítima.
Não acuse a vítima jamais!
Em casos de violência doméstica, é muito comum o agressor manipular a vítima, lançando a culpa toda sobre ela. Se você acusar a vítima, você vai ajudar o agressor, não a vítima!
A vítima não tem culpa. Sim, a vítima pode estar a fazer coisas que irritam o agressor por vezes, em certos casos, não todos, mas isso não justifica a violência. Muita gente se irrita mas não bate na família! Ninguém tem o direito de ser violento com outra pessoa. A culpa é do agressor, que não está lidando bem com suas emoções (Provérbios 29:11). A vítima precisa saber isso.
Promova a segurança
A vítima precisa sair dessa situação, mesmo que seja temporariamente. Quem vive muito tempo em um ambiente de violência doméstica fica com uma visão distorcida da realidade. Para sarar, a vítima precisa se afastar do agressor e viver em segurança. Não faça a vítima sentir que tem de ficar com o agressor! A Bíblia não dá nenhuma garantia que o agressor vai mudar se a vítima ficar (1 Coríntios 7:16).
Se a vítima decidir sair de casa, não conte ao agressor onde ela está! Agressores podem ser muito manipuladores. Assim como fingiram que estava tudo bem em casa, podem fingir arrependimento para continuar com o abuso ou para conseguir sua vingança (Provérbios 26:23-26).
Promova a cura
A vítima vai precisar de muito apoio para sarar suas feridas, aprender a perdoar e fazer uma nova vida, em segurança. Se você ou sua igreja não é capaz de dar esse apoio todo, existem várias instituições boas, especializadas em ajudar vítimas de violência doméstica. Aproveite esses recursos.
Procure conhecer os programas de apoio a famílias de sua igreja e de outras instituições. Se o agressor quiser mudar, sugira alguns desses programas. Se a vítima quiser, ela poderá se encontrar com o agressor em um desses ambientes seguros. Mas não faça a vítima se sentir obrigada a encontrar com o agressor. Mesmo depois de perdoar, isso pode ser muito traumático. A decisão de encontrar o agressor (e talvez ter um relacionamento saudável com ele, mais tarde, se o agressor mudar) tem de vir da vontade da vítima, não da pressão de outras pessoas.
Para pensar: a mesma passagem que diz que Deus odeia o divórcio também diz que Deus odeia o homem violento, que tem por hábito ser violento (Malaquias 2:16). O divórcio não deve ser banalizado mas é uma opção válida para a vítima de violência doméstica.
O que as pessoas precisam ver é que nada justifica um ato de crueldade, de violência ou humilhação. Mesmo quando um agressor se justifica pondo a culpa no agredido, como que se lhe tivesse dado motivos para tanto, e este só lhe fez o que achou merecido de se fazer. Isso não existe, ninguém de braços baixos merece que lhe levantem a mão para dar lhe bofetadas. Onde estaria a justiça nisso. Um agressor é alguém sem controle, que só sabe agir de maneiras brutas, não aceita contrariedade, e não sabe se expressar se não com raiva e violência. Tantos sapos temos que engolir durante a vida e não saímos por ai esbravejando, socando paredes ou muito menos pessoas, que direito tem alguém de machucar outra pessoa. Ainda mais sem motivo. Isso é questão de respeito e de ter a presença de Deus na vida, sabendo que tudo se resolve com amor e não guerra!

0 105

CORRETOR DE IMÓVEIS PAULO MARIO STOFFELS CRECI 35854

FONE/ (55) 3355-1254 / 98112-9930 WhatsApp; 98101-8787

e-mail imobiliariaquerencia@yahoo.com.br

TEM PARA VENDA:

 

  • 684 hectares de terra para planta, 310 sacas de soja o hectare + 440 hectares para arrendo, 10 sacos de soja o hectare. Região de São Borja.
  • 52 hectares de terra 70% de planta, 15km de Caibaté, preço especial à vista ou parcela-se pagamentos.
  • 194 hectares de terras coxilha, região nobre de São Miguel das Missões, excelentes condições de pagamento, tudo a combinar + 100 hectares de terra para arrendo.
  • 60 hectares de terra de planta + 200 hectares para arrendo. Região Capão do Cipó-RS.
  • 5 hectares de terra 90% para planta, 1km da comunidade da Vista Alegre, Caibaté-RS.
  • 370 hectares de terra 80% de planta. Recebe em troca no negócio, prédios, apartamentos no negócio, imóveis parte em dinheiro R$ 34.000,00 o hectare da terra, também parcela a mesma sem troca tudo a combinar. Na região de Pirapó-RS.
  • 115 hectares de terra de planta, 4km do asfalto em Santo Ângelo, 500 sacas de soja por hectare, condições a combinar.
  • 230 hectares de terra pecuária, 30km de Roque Gonzales. Condições a combinar.
  • 50 hectares de terra de planta com sede completa também pocilgas para criar suínos. Excelente área região nobre, boa localização 13 Km de Cerro Largo.
  • 61 hectares de terra com sede completa, ótima localização 3km do asfalto, no município de Entre-Ijuís, 470 sacas de soja por hectare. Com condições de pagamento.
  • 594 hectares de terra 80 % de planta 58 km de Caibaté. Uma entrada e mais 4 parcelas anuais.
  • 178 hectares de terra, já foi lavoura 120 hectares. Com sede R$24.000,00 o hectare, recebe imóvel urbano nas Missões, Santo Ângelo chácara com sede.
  • 254 hectares de terra, para planta 160 hectares, com sede boa, a 9 km de cidade nas Missões, ótimo para investidor a mesma está arrendada. Preço 340 sacas de soja o hectare. Entrada 25.000 sacas de soja, restante em 3 parcelas iguais.

 

  • Excelente oportunidade de negócio em investimento parte urbano e parte rural, antiga hípica de Caibaté-RS nas proximidades do armazém Ugerri, vendendo total ou parcial, tudo a combinar.
  • Excelente terreno comercial, residencial 16×29 podendo aumentar tamanho se quiser, na Rua Aloísio Mench em frente lago azul Caibaté-RS. Bom preço à vista R$80.000,00 pelas medidas já especificadas. Apto para financiamento.
  • Excelente casa em alvenaria no centro de Caibaté, diagonal Atacarejo Ribas. Preço especial R$200.000,00 à vista.
  • Ótima casa ao lado da Apae em Caibaté por R$ 215.000,00 à vista.                                                                                                                                                                                            AUMENTE SUAS CHANCES DE FAZER NEGÓCIOS MAIS

         RÁPIDOS E SEGUROS ATRAVÉS DA IMOBILIÁRIA

         QUERÊNCIA DE CAIBATÉ. 

0 136

Na tarde de hoje, a Cooperativa de rebaixamento e geração de energia, CERMISSÕES, destinou uma caminhonete zero, diesel, para o município de São Miguel das Missões.

O presidente, Diamantino Marquês e o prefeito, Casarin, concederam entrevista ao Liberdade. Confira em nossas páginas escritas.