Se há tempo o homem produzia 18 sc de soja por hectar, poucas décadas depois, em terras à época considerada improdutivas – terras de campo -, o homem supera e ao largo a quantidade superior a 100 sacas por hectar.
Este ano, de 2018, no município de Cruz Alta – RS, agricultores testando a rotatividade de culturas e com correção correta do solo, atingiram, pela segunda vez, produção superior a 130sc feijão soja por hectar.
Se considerarmos outra capacidade, do aproveitamento da diversidade hidrica do Estado gaúcho, por exemplo, teremos outro manancial incalculável da produção de carne através da exploração de alevinos.
Na fronteira do Estado ou em outros Estados do Sul, a produção do pescado consorciado com a cultura do arroz, já é realidade.

SEM COMENTÁRIOS

Deixar uma resposta