Presidente americano diz que o mundo está em uma encruzilhada

Presidente americano diz que o mundo está em uma encruzilhada

0 645

Discursando logo após a presidente brasileira, o presidente dos Estados Unidos disse na ONU que a única linguagem que assassinos entendem, é a força.
Afirmou que o seu país não vai enviar soldados para combater o EI por via terrestre e que os motivos que levou os Estados Unidos a liderar ataques no Iraque e na Siria, é de dar apoio a estes países para que retomem o controle e defesa de suas comunidades.
Enfatizou ainda que o atual embate “não se trata de um “choque de civilazações” e afirmou que “o futuro da humanidade depende de nós nos unirmos contra aqueles que querem nos dividir usando desculpas como tribos, crenças; raça ou religião”. O presidente americano também afirmou que o verdadeiro ensinamento do Islã é a paz e pediu a todos os povos, “especialmente as comunidades muçulmanas”, que rejeitem a ideologia pregada por grupos como a Al Qaeda e o EI.
Sobre a crise na Ucrânia, Obama afirmou que se a Rússia seguir o caminho da paz e da diplomacia, os Estados Unidos podem retirar as sanções aplicadas contra cidadãos e empresas do país. O presidente americano afirmou que as ações da Rússia “desafiam a ordem mundial” alcançada após o fim da II Guerra Mundial. Também acusou Moscou de promover “uma visão do mundo em que o poder se sobrepõe ao direito, um mundo em que as fronteiras de uma nação podem ser redesenhadas por outra, e as pessoas civilizadas não podem ser autorizadas a recuperar os restos mortais de seus entes queridos”. O Kremlin já anexou ilegalmente a Crimeia, península no sul da Ucrânia e apoia grupos separatistas no leste do país, onde um avião foi abatido por um míssil, deixando quase 300 mortos.
Armas nucleares – No trecho do seu discurso em que mencionou a questão nuclear, Obama acenou com um futuro livre de armas atômicas e enviou uma mensagem direta para “o Irã e os iranianos”, afirmando que eles não podem deixar passar essa “oportunidade histórica” para um acordo. “Nós podemos chegar a uma solução que atenda às suas necessidades [do Irã] de energia garantindo ao mundo que seu programa nuclear é pacífico”. Nesta semana, o regime iraniano defendeu o fim das sanções contra Teerã em troca da cooperação do país na luta contra o terrorismo.
Finalmente, sobre o surto de ebola na África, o presidente americano pediu que muito mais países assumam compromissos concretos para combater a doença. Fazendo um mea culpa, Obama admitiu que os países ricos “não investiram adequadamente na capacidade da saúde pública dos países em desenvolvimento”.

ARTIGOS SIMILARES

SEM COMENTÁRIOS

Deixar uma resposta